sábado, 15/06/2024

A Imperatriz Leopoldinense, tendo Lampeão e Maria Bonita como tema, venceu o campeonato das escolas de samba do Rio de Janeiro.

A comunidade de Ramos entrou na avenida com “sangue quente”, disposta a sair dali campeã como um “aperreio”. O Nordeste que foi apresentado destacou o sertão, o semiárido, registrando os signos mais próximos ao cangaço.

“Lampião é um personagem tão interessante da cultura brasileira que, independentemente de herói ou vilão, bom ou mau, criou a identidade do que é o homem nordestino”, disse o carnavalesco Leandro Vieira.

“O Rei do Cangaço conseguiu uma coisa que poucos brasileiros conseguiram, que a eternidade. Ele não era nem bom, nem mau, mas é eterno”, sintetizou ele .

Ficha técnica:

Fundação: 06/03/1959
Cores: Verde, Branco e Ouro
Presidente de Honra (In Memoriam): Luiz Pacheco Drumond
Presidente: Cátia Drumond
Enredo: O Aperreio do Cabra que o Excomungado Tratou com má-querença e o Santíssimo não deu Guarida
Carnavalesco: Leandro Vieira
Diretor de Carnaval: Mauro Amorim
Intérprete: Pitty de Menezes
Mestre de Bateria: Lolo
Rainha de Bateria: Maria Mariá
Famosos: Regina CaséMatheus NachtergaeleHariany Almeida e Marina Ferrari

O SAMBA

Me Leva, Gabriel Coelho, Miguel da Imperatriz, Luiz Brinquinho, Antonio Crescente e Renne Barbosa assinam o samba-enredo que a comunidade abraçou desde a escolha e defendeu com maestria na avenida

Confira a letra:

Imperatriz veio contar pra vocês
Uma história de assombrar, tira sono mais de mês

Disse um cabra que nas bandas do Nordeste
Pilão deitado se achegava com o bando
Vinha no rifle de corisco e cansanção
Junto de Cirilo Antão, Virgulino no comando

Deus nos acuda, todo povo aperreado
A notícia corre céu e chão rachado
Rebuliço no olhar de um mamulengo
Era dia 28 e lagrimava o sereno

E foi-se então… Adeus, capitão!
No estouro do pipoco
Rola o quengo do caboclo
A sete palmos desse chão

Nos confins do submundo onde não existe inverno
Bandoleiro sem estrada pediu abrigo eterno
Atiçou o cão cá-trás, fez furdunço
E Satanás expulsou ele do Inferno

O jagunço implorou lugar no Céu
Toda santaria se fez de bedel
Cabra-macho excomungado de tocaia no balão
Nem rogando a Padim Ciço ele teve salvação

Pelos cantos do sertão… Vagueia, vagueia
Tal qual barro feito a mão misturado na areia

Quando a sanfona chora, mandacaru aflora
Bate zabumba tocando no meu coração
Leopoldinense, cangaceiro, a minha escola
Eis o destino do valente Lampião.

CONTEÚDO FUXICO