sexta-feira, 24/05/2024
Saúde realiza campanha ‘Desenrola, veste e se joga no Bloquinho’ de prevenção às ISTs no Carnaval

Estado enviou aos municípios 463.680 camisinhas masculinas, 10 mil femininas e 26 mil géis lubrificantes  

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) realiza a Campanha ‘Desenrola, Veste e se joga no Bloquinho’ de prevenção às ISTs para o Carnaval, evento que reúne grande concentração de pessoas, principalmente, de jovens que querem curtir a maior festa do país. Por isso, a campanha surge para conscientizar a população sobre a prevenção de doenças e infecções sexualmente transmissíveis.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que mais de um milhão de pessoas adquirem uma IST diariamente e que cerca 500 milhões de pessoas adquiram uma das IST curáveis – gonorreia – Neisseria gonorrhoeae, clamídia – Chlamydia trachomatis, sífilis e tricomoníase a cada ano.

A gerente Técnica de IST/Aids e Hepatites Virais da SES/MS, Alessandra Salvatori, explica que essas doenças são transmitidas, principalmente, por meio do contato sexual (oral, vaginal, anal) sem o uso de camisinha externa ou interna, com uma pessoa que esteja infectada. “A transmissão de uma IST pode acontecer, ainda, da mãe para a criança durante a gestação, o parto ou a amamentação. De maneira menos comum, as IST também podem ser transmitidas por meio não sexual, pelo contato de mucosas ou pele não íntegra com secreções corporais contaminadas”.

A campanha ganha reforço justamente no período de pré-carnaval e durante os dias de folia em todo Estado do Mato Grosso do Sul, onde a SES/MS em parceria com as equipes municipais de Saúde desenvolvem ações nas principais cidades onde há grande concentração de foliões como Campo Grande, Corumbá e Bonito, instaladas em pontos tradicionais como nos locais onde acontecem os desfiles de blocos de rua e Escolas de Samba.

Para atender as demandas e reforçar a prevenção dos foliões no período de prévias carnavalescas e durante a festividade de Carnaval foram enviados pela SES/MS aos 79 municípios, no período de janeiro até o dia 13 de fevereiro de 2023, 424.800 preservativos externos de 52mm e 38.880 de 49mm. Em relação aos preservativos internos foram enviados 10.000 unidades e fornecidos 200 kits de Auto testes aos municípios do interior do Estado. E mais 26 mil unidades de Gel Lubrificante.

Somente no ano de 2022, foram encaminhados 3.301.133 preservativos externos de 52mm e 620.628 de 49mm, 86.850 preservativos internos, 1.304 Auto testes e 117.300 unidades de Gel Lubrificante a todo Mato Grosso do Sul.

Casos registrados

O Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) registrou entre janeiro dezembro de 2022, 1.189 casos novos de HIV e 286 casos de Aids em Mato Grosso do Sul. Ainda no mesmo período foram registrados 2.769 casos de sífilis adquirida e outros 1.320 casos de sífilis congênita (quando passa da gestante para o bebê). Também foram registrados, de janeiro a dezembro de 2022, 247 de casos de hepatites virais.

A SES/MS ainda ressalta que outras estratégias de prevenção são realizadas como: a chamada de prevenção combinada. “Ou seja, a Prevenção Combinada associa diferentes métodos de prevenção ao HIV, às IST e às hepatites virais (ao mesmo tempo ou em sequência), conforme as características e o momento de vida de cada pessoa. Entre os métodos que podem ser combinados, estão: a testagem regular para o HIV, que pode ser realizada gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS); a prevenção da transmissão vertical (quando o vírus é transmitido para o bebê durante a gravidez); o tratamento das infecções sexualmente transmissíveis e das hepatites virais; a imunização para as hepatites A e B; programas de redução de danos para usuários de álcool e outras substâncias; profilaxia pré-exposição (PrEP); profilaxia pós-exposição (PEP); e o tratamento de pessoas que já vivem com HIV”, pontua Alessandra.

Quanto ao HIV, caso alguém durante o Carnaval tenha alguma relação desprotegida com um parceiro não conhecido, o indivíduo pode buscar atendimento médico, solicitar o uso do PEP (Profilaxia Pós-Exposição) – até 72h após o ocorrido, o que diminui as chances de infecção pelo HIV.

Assim, a Vigilância Epidemiológica, por meio da Gerência Estadual de IST´s/HIV/Aids e Hepatites virais tem atendido às solicitações dos municípios quanto a distribuição dos preservativos e testes rápidos e orienta quanto a importância de ações de prevenção, não somente durante o período da folia de Momo, mas como durante o ano todo.

Rodson Lima, SES

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil