Campo Grande-MS
terça-feira, 23/07/2024
‘Julho Verde’: SES reforça ações de prevenção e diagnóstico precoce do Câncer de Cabeça e Pescoço

Com o intuito de alertar e conscientizar a população sobre a importância da prevenção ao câncer da região da cabeça e pescoço, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) aproveita a campanha ‘Julho Verde’ para intensificar as formas de prevenção e da detecção precoce deste tipo de câncer. Nesta quinta-feira (27) é celebrado o Dia Mundial de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço.

 O secretário de Estado de Saúde, Dr. Maurício Simões, que também é especialista em cirurgia de cabeça e pescoço ressalta sobre a importância da população e profissionais de saúde estarem atentos a quaisquer alterações que apareçam no seu corpo ou no corpo de seu paciente.

“O mais importante é deixar toda a sociedade alerta que o Câncer de Cabeça e Pescoço pode ser identificado pela própria pessoa quando perceber a existência de feridas, lesões que não cicatrizam depois de um certo período de evolução. Assim, os profissionais de saúde, médicos, clínicos gerais e da atenção básica, odontólogos é importante que todos prestem sempre muita atenção nessas lesões, que por muitas vezes são assintomáticas e geralmente não incomodam. São essas as lesões que quando diagnosticadas conseguimos realizar um tratamento curativo e de forma precoce”, destaca o secretário.

 Os cânceres de cabeça e pescoço compreendem as regiões da face, boca e pescoço, ou seja, boca, orofaringe, laringe (local onde estão as cordas vocais), ainda no nariz, seios nasais, nasofaringe, órbita, pescoço, tireoide, couro cabeludo, pele do rosto e do pescoço.

 Estimativa do Inca (Instituto Nacional de Câncer) é de que surjam para o ano de 2023, 39.550 novos casos de câncer de cabeça e pescoço (considerando os tumores de boca – cavidade oral –, laringe e tireoide) no Brasil e 510 novos casos em Mato Grosso do Sul.

O câncer nessa região provoca graves alterações na qualidade de vida do paciente e, por isso, a prevenção e diagnóstico precoce são fundamentais para elevar as chances de cura.

 Fatores de risco

Sobre o câncer existem evidências reais que comprovam a relação entre os hábitos de vida e o desenvolvimento de tumores. Os fatores de risco podem ser encontrados no ambiente físico, consequência de hábitos ou de costumes ou herdados. Confira alguns fatores de risco:

•          Tabagismo;

•          Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;

•          Exposição ao sol sem uso de protetor labial e solar;

•          Infecção por HPV;

•          Histórico familiar de câncer;

•          Dieta pobre em iodo;

•          Obesidade;

•          Poluentes ambientais;

•          Excesso de gordura corporal;

•          Exposição ocupacional de alguns elementos como pó de madeira, produtos químicos utilizados na metalurgia, petróleo, plásticos, indústrias têxteis e o amianto; entre outros.

 Sinais e Sintomas

•          Inchaço ou ferida que não cicatriza em 15 dias;

•          Nódulo na boca, pescoço ou na mandíbula;

•          Manchas avermelhadas ou esbranquiçadas na região da boca;

•          Dificuldade ou dor para engolir;

•          Problemas na fala;

•          Dificuldade e dor ao mexer a boca;

•          Dificuldade para respirar;

•          Dor de garganta que não melhora em 15 dias;

•          Alterações na voz ou rouquidão por mais de 15 dias.

 É importante lembrar que esses sinais também são causados por outras doenças, por isso, a importância de procurar o serviço de saúde. O diagnóstico e o tratamento precoces aumentam as chances de cura.

 Diagnóstico

O diagnóstico é feito por meio de avaliação médica, além de exames de imagem, necessários à identificação da patologia. A confirmação do diagnóstico da doença é feita por meio de biópsia do tumor. No caso de confirmação, o médico indicará o melhor tratamento individualizado, de acordo com a necessidade de cada paciente.

Prevenção

A prevenção está associada ao diagnóstico precoce e à manutenção de hábitos saudáveis.

•          Não fume;

•          Evite o consumo de bebidas alcoólicas;

•          Tenha alimentação rica em frutas, verduras e legumes;

•          Pratique atividade física regularmente;

•          Mantenha boa higiene bucal;

•          Use protetor solar e evitar exposição ao sol prolongada;

•          Use preservativo (camisinha) na prática do sexo oral;

•          Mantenha o peso corporal adequado;

•          Recomenda-se a vacinação do HPV para os meninos e meninas de nove a 14 anos de idade e também para os homens e mulheres imunossuprimidos, de nove a 45 anos, que vivem com HIV/Aids, transplantados de órgãos sólidos ou medula óssea e pacientes oncológicos.

 Assim, fique atento, caso apresente um ou mais sintomas, procure uma unidade de saúde. O diagnóstico precoce salva vidas!

 Kamilla Ratier, SES
Foto: Álvaro Rezende

  • Campo Grande, 150 anos de História