quarta-feira, 21/02/2024

ENTREVISTA: Ronilço Guerreiro destaca importância das ações durante o Setembro Amarelo

ENTREVISTA: Ronilço Guerreiro destaca importância das ações durante o Setembro Amarelo

11.09.2023 · 10:48 · Vereador Ronilço Guerreiro

O Dia Mundial de Prevenção e Conscientização de Combate ao Suicídio teve uma série de atividades neste domingo, 10 de setembro, que é a data oficial de lembrança e atividades relacionadas ao tema. O vereador Ronilço Guerreiro tem discutido em eventos, palestras e nas sessões da Câmara Municipal de Campo Grande a importância de trabalhar a saúde mental da população.

Guerreiro também é psicólogo e recentemente apresentou um projeto para ser implantado na Casa de Leis onde os servidores terão apoio para saúde psicológica e física, além disso segue trabalhando para que as escolas tenham a presença de psicólogos, não apenas para alunos, mas para toda comunidade estudantil.

Nessa entrevista ele fala sobre o Setembro Amarelo, sobre como ajudar as pessoas que estão sofrendo, projetos de lei e a programação do mês de preservação da vida.

Quais são suas ações relacionadas ao combate ao suicídio?

Como vereador eu trabalho políticas públicas voltadas a temas que são muito importantes, como o projeto Retalhos com Amor que já é uma realidade em parceria com a Secretaria de Educação. Além disso, me coloco sempre à disposição de empresas e escolas para falar sobre o tema em palestras com funcionários e alunos, pois acredito ser de extrema importância manter esse debate em alta, não apenas em setembro. Com relação às leis, atendi um pedido dos próprios servidores e apresentamos um projeto que cria o Núcleo de Orientação, Acolhimento e Acompanhamento do Servidor (NOAAS) que já está aprovado e também tenho trabalhado de forma incansável para que a prefeitura contrate profissionais para atender nas escolas, o que é uma lei federal. É uma grande luta, mas não podemos desistir.

Qual a importância do Setembro Amarelo?

Eu sempre digo que a luta pela saúde mental precisa ser diária, mas sei que o Setembro é mês de valorização da vida, amarelo é esperança. Sempre lembro de algumas histórias que aconteceram comigo e tem uma que sempre demonstra que estou no caminho certo. Tenho uma mania de esquecer livros nos carros e um dia “esqueci” um livro num carro que estava estacionado em um supermercado. Minha surpresa foi quando um pouco mais tarde uma mulher me mandou uma mensagem que dizia: “você salvou a minha vida! Eu estou com depressão, desempregada, meu filho fugiu de casa, meu marido brigou comigo e eu entrei no mercado para comprar uma bebida forte e tomar com remédios para me matar, mas quando vi aquele livro, do Augusto Cury, que dizia que a vida vale a pena ser vivida, comecei a ler ali no carro mesmo e ele mudou minha vida. Pessoal, às vezes uma mensagem, uma palavra de apoio, algo simples, muda o rumo de uma pessoa.

E como podemos identificar as pessoas que precisam de ajuda?

Ninguém quer tirar a vida, na maioria das vezes querem acabar com uma dor e angústia que está sentindo. Quando as pessoas estão com algum problema emocional normalmente dão algum sinal, por mais simples que seja, por isso precisamos estar atentos. Temos que ter conscientização que ninguém quer se matar, as pessoas querem matar uma dor que estão carregando. Por isso digo a cada um que valorize a vida, não é mimimi, não é falta de Deus, depressão é uma doença que precisa de tratamento, atenção e respeito.

Quando identificamos alguém com problemas emocionais, o que devemos fazer?

Primeiro mostrar que ela não está sozinha. Depois precisamos incentivar a buscar ajuda profissional, temos vários grupos de apoio, além dos profissionais psicólogos. Muitas vezes algumas sessões já mudam uma vida, então se identificar algo diferente em alguém que você tem contato, se coloque à disposição e incentive a busca de ajuda.

Quais dicas pode deixar para que as pessoas possam cuidar da saúde mental?

Eu sempre digo que é importante conversar sobre sua aflição com um profissional, mas caso não consiga, abra o diálogo com amigos, familiares e colegas. Conversar sobre emoções e dificuldades pode ajudar a reduzir o estigma em torno do tema. Também é preciso estar atento aos sinais de sofrimento emocional em pessoas ao seu redor, como mudanças de comportamento, isolamento social, expressões de desesperança ou sentimento de culpa. Se você percebeu esses sinais, ofereça apoio. Além disso, é importante cuidar de si mesmo, pois a autoestima e o autocuidado são fundamentais. Tire um tempo para cuidar de si mesmo, tanto físico quanto emocional e pratique atividades que o relaxem e que o ajudem a aliviar o estresse.

Jakson Pereira

Assessoria de Imprensa do Vereador