quinta-feira, 25/04/2024
Deputado Hashioka pede duplicação de 32 km da rodovia MS-141 próximo a Ivinhema

Na sessão plenária desta quinta-feira, 16, o deputado estadual Roberto Hashioka (União Brasil) encaminhou ao Governo do Estado de Mato Grosso do Sul e à Secretaria de Estado de Infraestrutura indicação pedindo a duplicação da Rodovia MS-141 nos trechos compreendidos entre os municípios de Angélica e Ivinhema e de Ivinhema até a Usina Adecoagro, sentido Naviraí, em extensões de 20 e 12 quilômetros, respectivamente, totalizando 32 km.

Em sua justificativa, o deputado aponta que a solicitação se faz necessária em razão do alto Volume Diário Médio (VDM) de tráfego registrado entre os dois municípios e em decorrência da circulação de veículos pesados que atendem as usinas Adecoagro localizadas em Angélica e Ivinhema. Também destaca que os trechos citados na indicação não possuem acostamento.

Hashioka informou que a rodovia foi construída no ano de 1981, na época em que o parlamentar era engenheiro chefe da Regional do Departamento de Estradas de Rodagem de Mato Grosso do Sul (Dersul), no Vale do Ivinhema (Nova Andradina). A construção da rodovia foi realizada com financiamento do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), do Banco Mundial, e classificada como vicinal classe B.

“Normalmente as pistas de rolamento das rodovias têm sete metros, mas como a MS-141 foi classificada como B, recebeu só seis metros, com um metro de acostamento para cada lado. No trecho entre Ivinhema e Angélica, ela atravessa pequenas propriedades e seu traçado geométrico foi feito para atender as divisas dessas propriedades – o que fez com que as curvas horizontais tivessem raio muito pequeno, acarretando vários acidentes, inclusive com vítimas fatais”, explicou.

O parlamentar destacou ainda que, desde a implantação das duas usinas, o trânsito de veículos de pequeno e de grande porte no local aumentou consideravelmente. “A duplicação do trecho será muito importante, pois vai melhorar a logística dessas usinas, que são grandes geradoras de emprego, otimizando o escoamento da produção, além dar segurança a todos que por ali transitam”, apontou.