domingo, 16/06/2024

Pesquisas do jornalista Sergio Cruz

Expedição militar brasileira, destinada a combater o inimigo que havia invadido o Sul de Mato Grosso no final de 1864, depois de passar por São Paulo, Minas Gerais e Goiás, alcança o território da província de Mato Grosso, às margens do rio Verde, afluente do Paraná, na divisa com Goiás. O cadete Taunay, autor da “Retirada da Laguna” e membro da comissão da engenheiros das forças brasileiras, registra, com detalhes do acontecimento:

“às 4 horas e 55 minutos marchou a força ao rumo O. por uma légua, tomando depois, como na véspera, para o O. S.O., em cuja direção média caminhou 2 ¹/² léguas por chapadões cobertos apenas de capim barba de bode, que brotava virente pela muita chuva dos dias passados. Aqui e acolá destacam-se capões, reduzidos às vezes a simples fitas ao acompanharem os filetes de água que serpeiam aos encontros dos declives”.

Completada a travessia do rio Verde, a força acampou junto ao córrego Invernadinha, já em território matogrossense, assim caracterizado pelo atento observador:

“O terreno percorrido é em geral acidentado, ora argiloso; ora arenoso; às vezes com cerrados dos lados da via, outras com mato fechado. O aspecto da vegetação foi sempre o mesmo em todas estas marchas.”

Não escapou à observação do escriba o contestado entre Goiás e Mato Grosso:

“O rio Verde é motivo de grande controvérsia entre as duas províncias de Goiás e Mato Grosso, querendo esta considerá-lo a sua linha divisória com aquela, que muito pelo contrário pretende dever estender os seus direitos até a confluência do Taquari com o Coxim. O terreno litigioso te, pois, desde esta questão avivada na presidência em Goiás do sr. José Martins Pereira de Alencastro, ficado sujeito à ação das duas partes reclamantes, o que seria causa de conflitos, colisões e graves incômodos para os seus habitantes, se não fosse a vastidão dos territórios e a escassez e disseminação da população.”.

FONTE: Taunay, Marcha das Forças, Editora Melhoramentos, S. Paulo, 1928, página 120.

FOTO: Paisagem sul-mato-grossenses, em desenho de Taunay.