segunda-feira, 26/02/2024

Sérgio Longen assume vice-presidencia da Confederação Nacional da Indústria

O vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e presidente da Fiems, Sérgio Longen, afirma que o trabalho da confederação em favor do desenvolvimento da indústria nacional tem dado resultados positivos.

“Cada vez mais a articulação entre a CNI e a indústria nacional vem dando certo. Os números indicam a reativação da indústria nacional, e é nessa linha que a gente procura trabalhar. Vamos dar continuidade a esse trabalho, alinhado com nossos novos companheiros de diretoria”, disse.

Longen tomou posse nesta terça-feira (31/10), em solenidade em Brasília, e compõe a diretoria da CNI que será comandada nos próximos quatro anos pelo empresário Ricardo Alban, presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb).

A cerimônia de posse foi realizada no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB) e contou com a presença do vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin; do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira; além de ministros, governadores, prefeitos, representantes do Sistema Indústria e convidados.

Ricardo Alban sucede Robson Braga de Andrade, que presidiu a CNI nos últimos 13 anos.

“Neste momento de emoção, quero agradecer a todos os que estiveram comigo nos últimos 13 anos apoiando, criticando quando necessário, mas sempre estendendo mãos amigas”, destacou Robson.

Longen, que também exerceu o cargo de vice-presidente da Fiems na gestão de Robson Braga de Andrade, fez um agradecimento ao presidente emérito.

“Em nome de Mato Grosso do Sul, agradeço publicamente o apoio que o presidente Robson ofereceu ao nosso Estado nesses 13 anos. Ele ajudou muito em ações importantes para que a gente conseguisse consolidar a transformação da matriz industrial do Estado”, declarou Longen.

Alban assume compromisso com a nova industrialização do país

Em seu discurso de posse, Ricardo Alban afirmou que é chegada a hora de mobilizar o Brasil por uma nova industrialização.

“Depois de anos de declínio, temos uma oportunidade única, talvez a última dessa geração, de revitalizar o nosso setor e entregar ao Brasil tudo que uma indústria forte e dinâmica pode entregar a um país: desenvolvimento econômico e social, com inovação e geração de empregos de mais qualidade”, declarou.

A prioridade de Alban à frente da CNI será o aumento da competitividade e da produtividade das indústrias no Brasil. Segundo o presidente da entidade, a nova industrialização que se desenha também pede uma nova gestão na CNI. Ele reconheceu o bom trabalho feito pelas últimas gestões, como a do seu antecessor, Robson Braga de Andrade, e pretende intensificar os trabalhos da CNI para dar foco total nos eixos da neoindustrialização.

Sobre o novo presidente da CNI

Ricardo Alban, de 63 anos, é formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal da Bahia e Administração de Empresas pela Escola de Administração de Empresas da Bahia. Trabalhou no Citibank no início dos anos 1980 e, desde 1987, é sócio-diretor da Biscoitos Tupy, tradicional fábrica de alimentos baiana fundada por sua família.

Está à frente da Fieb desde 2014, quando se elegeu primeiro vice-presidente, e após a morte do presidente Gilberto Farias, naquele ano, assumiu a presidência da entidade. Em 2018, foi eleito para dirigir a Fieb e o Centro das Indústrias do Estado da Bahia (Cieb). Em 2022, renovou o mandato, reeleito para o quadriênio 2022-2026.

Conheça os membros da Diretoria e do Conselho Fiscal 2023-2027

Diretoria:

Presidente

Antonio Ricardo Alvarez Alban

Vice-presidentes executivos

Josué Christiano Gomes da Silva

José Ricardo Montenegro Cavalcante

Jamal Jorge Bittar

Antonio Carlos da Silva

Gilberto Porcello Petry

Vice-presidentes

Eduardo Eugenio Gouvea Vieira

Mario Cezar de Aguiar

Carlos Valter Martins Pedro

Ricardo Essinger

Flavio Roscoe Nogueira

Silvio Cezar Pereira Rangel

Amaro Sales de Araújo

Marcelo Thomé da Silva de Almeida

José Carlos Lyra de Andrade

Sergio Marcolino Longen

José Conrado Azevedo Santos

Leonardo Souza Rogério de Castro

1º Diretor Financeiro

Cristhine Samorini

2º Diretor Financeiro

Eduardo Prado de Oliveira

3º Diretor Financeiro

Francisco de Assis Benevides Gadelha

1º Diretor Secretário

Sandro da Mabel Antonio Scodro

2º Diretor Secretário

Edilson Baldez das Neves

3º Diretor Secretário

Roberto Magno Martins Pires

Diretores

Antonio Jose de Moraes Souza Filho

Izabel Cristina Ferreira Itikawa

José Adriano Ribeiro da Silva

Luiz Cesio de Souza Caetano Alves

Jorge Alberto Vieira Studart Gomes

Roberto Pinto Serquiz Elias

José Henrique Nunes Barreto

Paulo Afonso Ferreira

Gilberto Ribeiro

Jandir Jose Milan

Gilberto Seleme

Alessandro José Rios de Carvalho

Jorge Wicks Corte Real

Alexandre Herculano Coelho de Souza Furlan

Edson Luiz Campagnolo

Conselho fiscal

Titulares

Hilton Morais Lima

Fernando Cirino Gurgel

José da Silva Nogueira Filho

Suplentes

Clerlanio Fernandes de Holanda

Francisco de Sales Alencar

Edmilson Matos Cândido