terça-feira, 28/05/2024

A cada apito a bola rola e a disputa fica mais acirrada para definir quem vai dominar o objeto do desejo de meninos e meninas, para finalmente marcar o gol. Todo o movimento de pés, além dos pedidos de passe e tudo que envolve, possivelmente, a maior paixão nacional do brasileiro, o futebol, só faz aumentar a euforia dos jogadores.

Na quadra da EE Blanche dos Santos Pereira, no Tijuca, a disputa é dos jovens que participam do programa “Bom de Bola, Bom na Escola”, da PM (Polícia Militar). A unidade escolar atende aproximadamente 1,6 mil alunos do 6º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio. E o treinamento de futebol é realizado duas vezes na semana, no contraturno escolar.

A atuação em dez diferentes regiões de Campo Grande contribui no dia a dia dos bairros mais periféricos e também traz melhorias para o ambiente escolar. “A gente percebe de positivo a interação dos membros da polícia com a comunidade e da comunidade com a polícia. E como os estudantes gostam desse projeto! Eles participam para praticar um esporte e também para aprender alguns valores que são colocados pelos policiais. Percebemos a mudança no dia a dia, tanto é que se tem um estudante que está tendo problemas, conversamos com os policiais que nos ajudam nessa interação também”, afirmou o diretor da escola, Amarildo Rodrigues Monteiro.

O interesse pelo esporte é o que fala mais alto e nenhuma regra afasta os “fominhas”, que só querem saber mesmo é de jogar futebol. “A gente sabe que alguns não comem antes de vir para o treino e no projeto eles lancham. Temos que forçar, fazer eles pararem para comer. Se deixar ficam só jogando bola”, explica o cabo Marcelo Schueller, responsável pela unidade, que passou a ter o projeto em 2022, além de outras duas escolas.

Para participar do programa os estudantes precisam, acima de tudo, ter empenho na escola – com boas notas e bom comportamento –, e não devem usar brinco, piercing e boné enquanto treinam.

Aluno do 2º ano do ensino médio, Eduardo Pereira, 16 anos, se adaptou para participar do “Bom de Bola, Bom na Escola” e ainda convida amigos para fazerem parte. “Gosto de participar para jogar, a gente aprende várias coisas. Gosto por causa dos colegas, campeonatos e dos instrutores. Eu trouxe dois amigos para jogar e já explico para eles que tem que ter respeito e educação. Eu usava brincos, mas tirei, e não pode usar boné e nem falar palavrão”, explicou.

“Eu comecei este ano, fui em recebida por todos. Venho treinar para esquecer os problemas, é um momento de descontração”, afirmou a aluna do 9° ano, Maysa Eduarda de Abreu, 14 anos.

A proximidade com os adolescentes que participam do projeto também envolve os treinadores. O professor de educação física Joel Silva, atua há oito anos nas escolas e relata inúmeros casos de superação e também do cuidado da equipe com os jovens. “Eles confiam na gente, se abrem para contar os problemas familiares e pessoais. Anos atrás um dos alunos não queria jogar, e ficou no cantinho da quadra. Ele acabou contando que não via o pai há anos, e tinha passado por ele no mercado, mas o homem fingiu que não o conhecia. A gente foi atrás do pai, para tentar uma reconciliação”, conta com lágrimas nos olhos. “Nossos jovens precisam de cuidado e atenção, são bons meninos e meninas, precisam só de direcionamento”.

Aliciene Garcia Domingos tem dois filhos – Alivan, 17 anos e Giovane, 11 anos, ambos com deficiência –, que participam do projeto desde o ano passado na EE Sebastião Santana de Oliveira, no José Abrão, e observa o cuidado da equipe, além do desenvolvimento de ambos. “Os dois são especiais, e o treinamento ajudou muito na questão da responsabilidade, adquiriram habilidade. Antes eles não sabiam e não gostavam de ler e escrever, eram muito tímidos, e o projeto tirou o medo deles, ajudou a se desenvolverem em tudo”.

Aluno do 6º ano da EE Professor Silvio Oliveira dos Santos, no Aero Rancho, Ricardo Pereira Rocha, 10 anos incentivou o amigo Davi Serrano de Gamarra, 12 anos, a partir do programa. “Eu gosto de jogar bola e chamei meu amigo. A gente tem que ir bem na escola para poder treinar”, afirmou Ricardo. O pai dele, Patrécio Rocha Pereira, destacou que o treinamento também auxiliou no retorno presencial das aulas, desde o ano passado. “O projeto aumenta a capacidade interação. Viemos de um momento difícil, de pandemia, e com o isolamento a gente percebe que as crianças sentem falta do entrosamento. O “Bom de Bola” trouxe isso, ele se motiva”.

Os irmãos nigerianos Oya Toyosi, 13 anos Sango Bukola, 16 anos, tiveram apoio do programa na adaptação no Brasil. Ambos estão no país há um ano e meio e além de treinar, também colocam a língua portuguesa em prática. “Gosto muito do Brasil. Nunca tinha jogado bola na Nigéria, eu não fazia esportes. E aqui eu gosto de jogar e de fazer amizade”, afirmou Sango.

“O projeto teve início em 2010, após a identificação de situações de defasagem, brigas e uso de drogas. O programa tem como base o resgate de valores. É importantíssimo (tirar boas notas) a gente verifica o boletim de todos eles”, explicou o cabo Schueller.

Programa

O programa valoriza e difunde a cultura e a paz, o esporte e o lazer, faz parte das ações voltadas ao policiamento comunitário, fortalece e aproxima o policial da comunidade. Atualmente, os batalhões da PM da Capital e dos municípios de Paranaíba e Fátima do Sul possuem turmas do “Bom de Bola”.

Para participar o adolescente deve ter entre 10 e 17 anos, estar matriculado e frequentando uma escola pública e ter interesse pelo esporte. O pai ou responsável precisa autorizar a participação do aluno, comprometendo-se em auxiliar o estudante no desempenho na escola. No ano passado foram atendidos aproximadamente 900 jovens nas três cidades onde o programa é realizado.

Natalia Yahn, Comunicação Governo MS