quinta-feira, 23/05/2024
MS atrai empresa de construção de imóveis com madeira sustentável graças ao Plano Estadual de Florestas

Imagine um prédio todo de madeira sustentável no município que deverá ser a capital do eucalipto do Brasil. Pois este tipo de construção, chamado de wood frame já é realidade em Ribas do Rio Pardo, que está recebendo a maior fábrica de celulose do mundo. Em visita ao município, o secretário Jaime Verruck, da Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), acompanhado do secretário-executivo de Qualificação Profissional e Trabalho, Bruno Bastos, visitou um canteiro de obras de uma construtora que está erguendo 35 apartamentos de 45 a 65 m². O conjunto habitacional deve abrigar os trabalhadores que estão atuando na cidade.

Titular da Semadesc Jaime Verruck e o secretario executivo Bruno Bastos visitaram conjunto habitacional em Ribas do Rio Pardo para conhecer o sistema

O sistema wood frame é um sistema construtivo muito difundido e utilizado há décadas em diversos países da Europa e América do Norte. É um sistema construtivo que tem ganhado cada vez mais espaço também no Brasil, tanto para obras comerciais como principalmente para projetos residenciais, desde empreendimentos populares até residências de alto padrão e mini casas. As madeiras são transformadas em perfis estruturais leves que podem ser utilizados como pilares e vigas, vencendo grandes vãos e permitindo o fechamento com painéis construtivos, e placas cimentícias. Essas soluções conferem mais sustentabilidade e menos desperdício, além de maior conforto térmico e acústico à obra.

De acordo com a responsável pela obra, engenheira civil Gabriela Nery, o conjunto que está sendo erguido em Ribas do Rio Pardo é todo madeira do tipo pinus autoclavado. “Tanto a parte externa quanto o interior é de madeira. Único concreto que a nós utilizamos em toda a nossa obra está na fundação”, salientou, lembrando que obra tem o caráter positivo-ambiental.

Olho na sustentabilidade

Jaime Verruck ressalta que este tipo de construção atende aos parâmetros do Profloresta (Plano Estadual de Desenvolvimento Sustentável de Florestas Plantadas de Mato Grosso do Sul), que prevê, entre outros benefícios à cadeia produtiva do eucalipto, apoio e incentivo a obras que sejam realizadas utilizando critérios de sustentabilidade. “O Governo do Estado, dentro do Plano Estadual de Florestas Plantadas, tem alguns projetos estratégicos de diversificação do uso da madeira para o futuro. Então, a ideia é que se de desenvolva uma cadeia produtiva na construção civil a partir do eucalipto. Isso é uma demonstração de que nós podemos caminhar dentro do plano para a busca de uso alternativo da madeira não só pra celulose, mas também na construção civil”, salientou.

Mato Grosso do Sul tem hoje mais de 1,1 milhão de hectares de florestas plantadas e deve ampliar esta área em 300 mil hectares apenas neste ano. A maior concentração de áreas está na Costa Leste de Mato Grosso do Sul. Três Lagoas é o município que apresenta maior área plantada, respondendo por 23,4%, seguido de Ribas do Rio Pardo e Água Clara, com 19 e 11,7%, respectivamente.

Texto e fotos: Rosana Siqueira, Semadesc