terça-feira, 28/05/2024
Conferências livres sobre direitos da criança e adolescente mobilizam alunos da Rede Municipal

Campo Grande, 02/03/2023 às 15:27

Com uma participação de pelo menos 500 alunos da Rede Municipal de Educação (Reme), estão sendo realizadas, até esta sexta-feira (03), em dez escolas municipais, as Conferências Livres, organizadas pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), com o apoio da Prefeitura de Campo Grande por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social. (SAS). O foco é debater temas que serão levados à Conferência Municipal, que acontecerá nos dias 23 e 24 de março, no auditório da Secretaria Municipal de Educação (Semed).

O objetivo das conferências, é mobilizar e incentivar a participação de alunos de escolas, Cras e Creas nas discussões relacionadas à execução, avaliação e monitoramento de políticas públicas no contexto da proteção integral, preparando os alunos para a participação nas conferências do município, estado e nacional.

De acordo com a superintendente de Gestão do SUAS, Marcilene Rodrigues, a 12ª Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CNDCA) terá como tema central este ano, “A situação dos direitos humanos de crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela Covid-19: violações e vulnerabilidades, ações necessárias para reparação e garantia de políticas de proteção integral, com respeito à diversidade”, por isso, a organização do evento está ouvindo as experiências vivenciadas pelos alunos e seus familiares durante a pandemia.

“É um processo dinâmico de diálogos e encontros voltados para o fortalecimento da cidadania infanto-juvenil a partir de uma visão crítica, participativa, democrática e transformadora”, pontuou Marcilene. Ela ressalta que é preciso garantir que crianças e adolescentes participem com maior efetividade do processo de construção das conferências relativas a seus direitos.

Protagonismo

A conselheira Rosemar Moreira participou da conferência realizada nesta quinta-feira (02), na escola “Dr. Tertuliano Meirelles”, no Jardim Caiçara e explicou que o evento municipal contará com a participação de 100 alunos. “Queremos que vocês tenham voz e digam o que realmente necessitam, por isso é importante sabermos como foi esse período de reclusão para vocês e a experiência com as aulas online. Dessa forma podemos construir propostas de ações e políticas públicas que garantam os seus direitos no contexto pandêmico e pós-pandemia”, enfatizou a conselheira.

João Pedro Marques, 11 anos, aluno do 6º ano contou que o irmão ficou internado devido à Covid-19 e a mãe entrou em depressão. Após ouvirem o depoimento do colega, os alunos sugeriram a instalação de uma sala na escola para atender as crianças que precisam de ajuda de psicólogos neste período pós-pandêmico.

Já o aluno Lucas Oliveira, 10 anos, da 5ª série, disse que ficar sem ir às aulas presenciais foi difícil, mas com a ajuda da mãe conseguiu estudar por meio do material online disponibilizado pela Semed. “Eu aprendi o conteúdo e consegui passar de ano”, relatou.

Para a psicóloga do Cras Vila Gaúcha, Bethânia dos Santos Porto, os debates servem para identificar se os sistemas públicos estão atendendo às necessidades dos alunos. “A participação dos adolescentes e crianças com seus relatos é importante porque são eles que vivem essa política e podem dizer se ela está falha ou não. Também é fundamental estimular, desde pequeno, o protagonismo infanto-juvenil”, ressaltou.