quarta-feira, 19/06/2024
Com incentivo à leitura e doação de hortaliças, presídio de Aquidauana transforma horta em espaço de integração com a comunidade

“Aroma, Sabores e Saberes” é o nome do projeto desenvolvido no Estabelecimento Penal de Aquidauana que envolve desde o plantio de hortaliças, ervas aromáticas e medicinais com mão de obra prisional e doação de parte do cultivo à comunidade local, à disponibilização de um espaço de reflexão e leitura aberto à sociedade.

Idealizada pelos policiais penais Andréia Diniz, Eliane Luz e Elvis Moreira, no começo, a iniciativa visava capacitar os internos no plantio e cultivo, em uma horta instalada ao lado do presídio, bem como utilizar o que é colhido como reforço na saúde e alimentação de custodiados, além de instituições sociais e filantrópicas da cidade.

Na Banca Solidária, hortaliças são doadas aos moradores locais

 

Com o sucesso dos trabalhos, foi criada uma Banca Solidária em que a população busca verduras na horta da unidade prisional e, com essa participação e presença da sociedade, o projeto foi mais longe e hoje conta com um espaço todo decorado com pneus coloridos, um lago ornamental e uma geladeira cheia de livros e quem visita pode pegar um exemplar emprestado e também deixar mensagens para quem for até o local.

Para o diretor da unidade prisional, Claudio Reis Alviço, é um gesto que une o sistema prisional à natureza, à fé, à arte e à solidariedade. “Quem passa pela rua, consegue ver uma horta bem cuidada, organizada e colorida. São várias vertentes que esse projeto abrange e externa parte do nosso trabalho feito intramuros com os internos. É realmente inspirador”, afirma, agradecendo o trabalho integrado de toda a equipe de servidores da unidade penal.

A doação aos moradores tem sido uma forma de aproximar a comunidade das ações realizadas no presídio. “Mudamos os canteiros e colocamos pneus de descarte com pinturas artesanais feitas pelos reeducandos. O local se tornou um ‘oásis’ para incentivar a leitura e oferecer hortaliças e ervas medicinais aos moradores”, complementa a policial penal Eliane Luz.

Rota da Cura propõe contato com a natureza e momentos de reflexão

 

Na Geladeira Literária são expostos diferentes livros, para troca ou doação de forma gratuita e com acesso livre a todos que têm interesse. Já na Rota da Cura Sustentável, cujo acesso é restrito, é possibilitado o contato com a natureza, ao mesmo tempo em que se pode ler mensagens bíblicas de fé, que vão conduzindo quem trafega por dentro dessa trilha e termina no lago, que recebeu o nome “Água da Vida”.

Para trazer ainda mais vida para o local, os servidores tiveram a ideia de expôr todo o trabalho que é realizado dentro do presídio, com pneus coloridos em diferentes formatos, como trator, poço, patos e outros artesanatos, tudo confeccionado pelos detentos.

Um dos participantes do projeto, o reeducando Willian dos Santos, relembrou que o espaço que estava sem uso e agora foi revitalizado, oportunizando mais esperança para quem cumpre pena, através da ocupação produtiva, e tornando o lugar mais bonito e funcional para toda população. “Trouxe uma nova vida e um novo olhar da sociedade para nós”, agradeceu.

Muito além de um espaço bonito e funcional, se transformou em uma área de refúgio e que impactou a sociedade aquidauanense. É o que garante o comerciante José, que trabalha perto da unidade penal. “É um projeto maravilhoso, que tem feito a diferença aqui e só vem a colaborar com a comunidade. Estão sempre procurando incrementar mais, isso é muito importante, tornando o ambiente variado e bem cuidado”, parabenizou.

O sucesso da iniciativa está sendo tanto que rendeu aos servidores idealizadores a indicação de uma Moção de Congratulação pela Câmara de Vereadores de Anastácio, com indicação do vereador Robson Pertille, em reconhecimento à importância e impacto social dentro e fora do presídio.

Agentes de Transformação

Policiais penais realizam palestras em escolas e universidades do município.

Com foco em demonstrar à sociedade o trabalho realizado pelo sistema prisional, também são ministradas palestras nas escolas e universidades. “Somos agentes de transformação, mesmo porque essas pessoas precisam retornar um dia ao convívio social e estamos preparando a sociedade e os internos para que isso ocorra da melhor forma possível, claro sem nunca esquecer da segurança da população”, pontua o diretor do presídio.

Conforme Alviço, tem sido muito positivo o feedback dos moradores e das instituições. “Esse reconhecimento mostra os bons frutos desse trabalho e demonstra que estamos no caminho certo”, destaca.

A Banca Solidária é realizada a cada dois meses com a distribuição das hortaliças e ervas à população da região, em um espaço instalado na frente da horta, que fica anexa à unidade penal. Quem tiver interesse em conhecer o espaço, basta ir até o local, que será recebido pelos policiais penais que ali atuam.

Além disso, são realizadas doações regularmente a projetos sociais desenvolvidos por órgãos públicos do município e das forças de segurança, como o Bombeiro do Amanhã, Pelotão Esperança (Exército Brasileiro) e Casa de Acolhimento.

Ao todo, cinco reeducandos atuam na horta diariamente. Eles foram capacitados pelo Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural). Além da ocupação produtiva e qualificação profissional, recebem remição de um dia na pena a cada três de serviços prestados.

A iniciativa é uma das frentes de ressocialização da Agepen/MS (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul).

Texto: Tatyane Santinoni e Keila Oliveira

Fotos: Divulgação Agepen