sábado, 18/05/2024
Com exposição de quadros, fotografias e apresentação de orquestra, Semed realiza evento voltado ao Abril Indígena

Campo Grande, 06/04/2023 às 08:00

Não comemorar apenas no dia 19 de abril, mas celebrar o mês todo. A importância da cultura indígena vai além e por isso, a Secretaria Municipal de Educação, através da Suped (Superintendência de Políticas Educacionais), realizou evento nesta quarta-feira (5), o ‘Abril Indígena: Um olhar para os Povos Originários’.

A abertura do evento contou com a apresentação da orquestra indígena Fundação Ueze Zahran, que tocou quatro músicas, duas delas, regionais. É a única orquestra indígena do Brasil, com adolescentes tocando violino, violão, violoncelo e percussão, coordenados pelo maestro Jardel Tartari.

Há ainda a exposição dos quadros do artista Ghva Maurício. De Rondônia, Ghva conta que começou a fazer pinturas a óleo ainda na década de 80, mas foi na década de 90 que passou a retratar os povos originários. “Comecei a olhar para a minha região e ver o que tem de mais bonito e encontrei os povos originários. Entrei em um estudo e gosto de fazer o contraste do claro e escuro, faço aplicações em couro também, o que inova a arte”.

A exposição ficará no prédio da Cefor (Centro de Formação Lúdio Martins Coelho), até o fim do mês no hall do prédio. Há também a exposição de fotos da artista Gabi Dias, com fotos do evento miss indígena.

Segundo o chefe da Divisão da Educação e Diversidade, Felipe Augusto da Costa Souza, é preciso transmitir para as escolas da Reme (Rede Municipal de Ensino) que não existe uma data única para se trabalhar a temática da educação indígena. “Temos um mês em alusão ao tema. Os professores têm que transmitir aos alunos através dos planejamentos, dos contos, das músicas, de todo trabalho realizado diariamente, mas não só nesta data e sim o ano todo”.

Ainda conforme Felipe, a Reme tem um plano curricular previsto para que seja estudado a educação étnico-racial indígena. “Temos livros que são encaminhados para educação infantil, o acervo é amplo, só precisamos que os professores tenham o conhecimento do conteúdo. A Divisão leva o conhecimento para o professor, o coordenador. Temos que tirar o estereótipo do dia 19, é o Abril Indígena”.

Conforme o secretário de Educação, Lucas Henrique Bitencourt, o evento é de extrema importância para a Semed. “É o mês mais especial e expor tudo isso é de grande valia para sermos referência na educação no nosso país”.

O evento tem a presença ainda do Memorial das Culturas Indígenas Cacique Enir Terena com exposição do acervo de arte originária.