domingo, 16/06/2024
Café Estratégico discute necessidade de soluções digitais para aprimoramento na gestão

Campo Grande, 08/07/2023 às 07:51

Em um mundo em que você consegue pedir comida, comprar uma viagem, fazer tudo na palma da mão através do celular, o setor público também tem que acompanhar essas demandas e seguir a mesma lógica de facilitar a vida do cidadão, não apenas garantindo acesso aos serviços, mas oferecendo essas possibilidades com qualidade. Esse pensamento é o que norteia a proposta do BrazilLab, primeiro hub de inovação GovTech do Brasil, responsável pela capacitação realizada nessa sexta-feira (7) para secretários municipais, adjuntos e técnicos da Prefeitura no 4º Café Estratégico, projeto da Subsecretaria de Gestão e Projetos Estratégicos (Sugepe), que abre espaço para debater os grandes temas de gestão, eficiência e aprimoramento da máquina pública.

Não é de hoje que a administração vem desenvolvendo ações para transformar Campo Grande em uma Cidade Inteligente. “A nossa missão nesse tempo é modernizar a gestão pública municipal em busca de soluções rápidas. A tecnologia é uma ferramenta de transformação. A pandemia trouxe esse tempo mais rápido e nós precisamos estar engajados nessa mudança. Desde que assumi a gestão pública municipal, a nossa missão é transformar processos e estamos empenhados para que todas as secretarias estejam interligadas, se comunicando, para que possamos ter resultados e soluções em curto espaço de tempo”, analisa a prefeita Adriane Lopes.

O CEO do BrazilLab, Guilherme Dominguez, trouxe a palestra “Novas oportunidades em compras públicas de Inovação” para um ambiente inspirador quando se fala em tecnologia, o Senac Hub Academy. “Queremos ser parceiros nesse futuro tecnológico digital que está batendo à nossa porta. A gente percebe que a inclusão nesse ambiente inovador passa pela cultura, e que inovação é algo ao alcance de todos”, analisa a gerente do Senac Hub Academy, Gilka Trevisan.

Guilherme explica que hoje o Brasil tem uma das legislações mais modernas do mundo em termos de compra pública de inovação, com ferramentas para todos os tipos de necessidade, para compra pública de inovação voltada para transformação digital ou voltada para aprimoramento e eficiência de serviços públicos. “Temos a Lei do Governo Digital, o marco de startups, a nova lei de licitações, a Lei Nacional de Inovação Tecnológica. É uma quantidade muito grande de informação e, se as pessoas não estiverem se atualizando, conhecendo um pouquinho de cada uma dessas novidades e principalmente em que contextos será mais adequado usá-las, não vão conseguir tirar essa legislação do papel. Por isso a importância dessa capacitação, fundamental para tirar as leis do papel e, de fato, transformar a realidade do cidadão campo-grandense. É muito importante a conexão com essas novidades, tanto o ponto de vista da legislação, quanto do ponto de vista das novas tecnologias disponíveis para melhorar o serviço público. Acredito que o principal desafio que Campo Grande tem agora é acelerar a digitalização dos processos e procedimentos administrativos”.

Durante o Café Estratégico, o diretor de projetos da Agência Municipal de Tecnologia da Informação e Inovação (Agetec) Luis Cézar Ribeiro, apresentou o “SEI”, uma das soluções tecnológicas que está sendo estudada para implementação na Prefeitura, que possibilita economia e agilidade nos processos. “O SEI é um sistema eletrônico digital que permite a completa tramitação de todos os processos de modo eletrônico, inclusive dando autenticidade com assinatura digital e reconhecimento legal sob todos os processos. A ideia do SEI é transformar todas as pastas de papel em pastas digitais que serão acessíveis e despachadas por todas as unidades da Prefeitura. Uma economia grande e uma modernização maior ainda. Estamos agora na fase de laboratório, aprendendo o funcionamento adequado para, em seguida, levar para as secretarias e implantar a solução”.

Oficinas

Além da palestra, Guilherme Dominguez e Julia Duó, analista de projetos do BrazilLab, ministraram uma oficina com o foco em “pensar” os problemas e soluções da cidade. A dinâmica envolveu servidores da Secretaria Municipal de Finanças e Planejamento (Sefin), Secretaria de Inovação e Desenvolvimento Econômico (Sidagro), Agência Municipal de Tecnologia da Informação e Inovação (Agetec), Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano (Planurb)e Secretaria-Executiva de Compras Governamentais (Secomp). Os principais temas trabalhados foram: Arrecadação tributária; Cadastro único; Monitoramento de obras; Educação e Meio Ambiente. Depois da análise de ameaças e oportunidades, identificação de possibilidades de soluções e entender o desafio tecnológico a ser superado, as equipes vão elaborar um plano de ação de transformação digital. “O grande impacto que essa capacitação vai ter é exatamente que as pessoas entendam como construir uma metodologia de desafios públicos para, com isso, encontrar a melhor forma de contratar ou de estabelecer outros tipos de parceria com a iniciativa privada para acelerar esse processo de transformação digital da Prefeitura”, avalia Guilherme.

Projeto pioneiro

Em fevereiro deste ano, a Prefeitura Municipal de Campo Grande, através da Sugepe e da Agetec, foi selecionada para participar do 1º Programa de Aceleração Digital de Municípios do Brasil junto a um seleto grupo de cinco cidades que começaram a desenvolver planos estratégicos de transformação digital em suas prefeituras.

Além de Campo Grande, foram selecionados os municípios de Araguaína-TO, Belo Horizonte-MG, Maceió-AL e Porto Alegre-RS. A Comissão de Avaliação divulgou que foram recebidas 90 manifestações de interesse e 41 inscrições completas, das cinco regiões do País. O Programa é uma iniciativa do BrazilLAB, primeiro hub de inovação GovTech do Brasil, que desde 2016 acelera e conecta startups e entes públicos com o objetivo de promover a inovação e a transformação digital do setor público, de fora para dentro; e do CAF – Banco de Desenvolvimento da América Latina, que tem a missão de promover o desenvolvimento sustentável e a integração regional, financiando projetos nos setores público e privado, prestando cooperação técnica e outros serviços especializados.