sexta-feira, 24/05/2024

Edgar Ricardo de Oliveira, de 30 anos, um dos suspeitos de matar sete pessoas em um bar de Sinop, a 503 km de Cuiabá, nessa terça-feira (21), tem cadastro em um clube de tiros de Sorriso, também na região norte do Estado, segundo a Polícia Civil, e postava vídeos na rede social praticando disparos.

Além de Edgar, um outro suspeito, identificado como Ezequias Souza Ribeiro, de 27 anos, participou do crime. Os dois estão foragidos e a polícia solicitou a prisão temporária deles.

Na manhã desta quarta-feira, a polícia apreendeu a espingarda calibre 12 mm e a caminhonete usadas durante a chacina. O material estava em uma obra no bairro Vila Verde, no município, endereço ligado a um dos suspeitos, segundo as investigações.

Edgar e Ezequias mataram seis homens e uma adolescente de 12 anos, depois que perderam partidas de jogos de sinuca em um bar. Segundo a Polícia Civil, a dupla teria perdido mais de R$ 4 mil.

As câmeras de segurança do bar registraram o momento da execuçã  Nas imagens registradas pelas câmeras de segurança do bar, é possível ver quando Ezequias, de camiseta azul, armado com uma pistola, rende as pessoas e as leva para perto de uma parede.

Enquanto isso, Edgar, de camiseta listrada, pega uma espingarda, calibre 12 mm, na caminhonete estacionada em frente ao estabelecimento e volta atirando várias vezes.

A adolescente, depois de vários disparos, tenta correr para fora do estabelecimento. Ela e outro homem foram mortos, segundo a perícia, com tiros nas costas.

Antes de fugirem na caminhonete, um dos suspeitos pega uma quantia de dinheiro que está em uma das mesas de sinuca, além de outros objetos. Eles estão foragidos, segundo a Polícia Civil.

Motivação

De acordo com o delegado Bráulio Junqueira, Edgar participava de um jogo de sinuca contra Getúlio, uma das vítimas, e perdeu cerca de R$ 4 mil pela manhã. No período da tarde, ele voltou na companhia de Ezequiel e desafiou Getúlio novamente. Eles jogaram mais algumas partidas e também perderam.

Segundo o delegado, Edgar ficou revoltado e, em seguida, deu um sinal para Ezequias, que rendeu todas as pessoas, enquanto o comparsa pegava uma espingarda no carro.

“O primeiro a disparar foi o Ezequias, que deu um tiro no Bruno, dono do bar, e depois um tiro pelas costas do Getúlio, que caiu, e recebeu mais dois tiros na cabeça. Enquanto isso, Edgar disparava de 12”, explicou.

Bráulio afirmou que nove pessoas foram rendidas e apenas duas delas sobreviveram. Conforme relato de testemunhas à polícia, o clima no local era tranquilo e não houve discussão ou qualquer outra desavença no bar antes do crime.

CONTEUDO G1