domingo, 16/06/2024
Ação conjunta fortalece avanço de MS na universalização do esgotamento sanitário

Com foco no desenvolvimento sustentável de Mato Grosso do Sul, Agems (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos), Sanesul e Ambiental MS Pantanal irão desenvolver estudo interinstitucional voltado para a execução dos projetos de universalização do esgotamento, garantindo a proteção da saúde humana e do meio ambiente.

O assunto foi tema de discussão entre o diretor-presidente da Agência, Carlos Alberto de Assis, da Sanesul, Renato Marcílio da Silva, e da parceira público-privada no projeto de universalização do esgotamento, Paulo Antunes de Siqueira.  

Também participaram a diretora de Saneamento Básico e Resíduos Sólidos, Iara Marchioretto, o coordenador da Câmara Técnica de Saneamento, Leandro Caldo, e o Diretor de Engenharia e Meio Ambiente da Sanesul, Leopoldo Godoy do Espírito Santo.  O encontro aconteceu ontem (17).

Destaque nacional

MS está à frente no cenário nacional de universalização de esgotamento sanitário. O Marco Legal para o País prevê alcançar a cobertura em 2033, e o Estado vai antecipar em ao menos dois anos, para 2031, podendo até mesmo alcançar em 2028 os resultados dos investimentos. 

Reunião realizada entre os gestores estaduais, na quarta-feira

“Nosso Estado é exemplo de avanço no saneamento, que é indispensável para a qualidade de vida e a saúde das pessoas. E queremos que as obras e investimentos da PPP da universalização estejam em sintonia com os cuidados ambientais e com os novos projetos de infraestrutura e grandes indústrias que estão chegando”, destaca Carlos Alberto de Assis. “Estamos trabalhando muito para isso”. 

Saneamento presente e futuro

A Rota Bioceânica, a chegada de gigantes da celulose e outros empreendimentos que virão estão mudando a realidade nos municípios, incluindo as demandas por saneamento.

“Todos os atores envolvidos precisam estar atentos à necessidade de rever planos municipais de saneamento básico, de ampliar tecnologias originalmente previstas, de discutir as melhorias de médio e longo prazos. O saneamento é muito dinâmico e requer muita atenção para que os municípios recebam as obras e a universalização desejadas”, explica a diretora Iara. 

A intenção do grupo é, a partir dessa discussão inicial, ampliar a proposta de um estudo interinstitucional com outros órgãos governamentais, direta ou indiretamente envolvidos com o fomento ao desenvolvimento sustentável, o meio ambiente, a logística e as políticas públicas.

Gizele Oliveira, Comunicação Agems
Fotos: Cleidiomar Barbosa