quinta-feira, 25/04/2024
Em discurso, à tribuna,  senador Eduardo Gomes (PL-TO).

O senador Eduardo Gomes (PL-TO) cobrou do governo federal uma agenda legislativa propositiva e efetiva, a ser apresentada nas próximas semanas, para que o Congresso Nacional possa se dedicar a assuntos relevantes de interesse do país. Em pronunciamento no Plenário, nesta terça-feira (28), o ex-líder do governo Bolsonaro no Congresso declarou que o exercício de se fazer “oposição aos governos de plantão” é uma missão tão nobre quanto a de ser integrante da base governista. No entanto, acrescentou, é preciso que “o exercício legislativo seja de fato e de direito instalado”.

Eduardo afirmou que considera necessário que tanto o Senado quanto a Câmara dos Deputados tenham condições de dizer ao país, passados três meses do novo governo, que eles [parlamentares] estão atentos às reais necessidades e demandas do Brasil. Salientou que, em igual período do governo anterior, o ex-ministro da Economia Paulo Guedes já havia comparecido oito vezes ao Congresso Nacional para discutir com parlamentares da situação e da oposição, esclarecendo pontos da agenda que o governo pretendia apresentar aos congressistas.

— Nós estamos prontos para colaborar com aquilo que é bom para a população brasileira. Mas precisamos dar a notícia de um trabalho legislativo efetivo, e é isto que reivindicamos para as próximas semanas. Quem sabe agora, com o cancelamento da missão à China, tenhamos um prazo maior para nos debruçar sobre a agenda legislativa e que venha um mês de abril produtivo — ressaltou.

Municipalismo

Ele também destacou a realização da 24ª Marcha dos Prefeitos. O evento, realizado em Brasília, reúne anualmente gestores municipais de todo o Brasil. Frisou que, da mesma forma que ele, outros senadores se dedicam às causas do municipalismo brasileiro.

— Na pessoa do prefeito Diogo Borges, presidente da Associação Tocantinense dos Municípios, cumprimento todos os prefeitos, os vereadores, os ex-prefeitos e os vice-prefeitos. Que o municipalismo mantenha a força de uma agenda objetiva; que o prefeito tenha em Brasília um período importante para despachar sobre as necessidades de seu município junto aos bancos oficiais e aos ministérios, e que isso ocorra da melhor forma possível — afirmou.

Agência Senado