quinta-feira, 25/04/2024
Presente em 72 cidades, escolas de tempo integral conquistam pais, alunos e professores na rede estadual

Estrutura moderna e aprendizado de qualidade. Com este lema as escolas em tempo integral da Rede Estadual de Ensino conquistaram e ganharam a confiança dos alunos, professores, pais e comunidade escolar. São 172 unidades neste sistema que estão em atividade em 2023. O modelo está presente em 72 dos 79 municípios do Estado.

Diretor Edvaldo Lourenço na Escola José Barbosa Rodrigues (Foto: Divulgação)

A expansão e universalização das escolas em tempo integral é prioridade do governador Eduardo Riedel, sendo um dos pilares do seu plano de governo. “Não tem desenvolvimento sem educação, todos aqui são frutos da educação, e assim estabelecemos nossos compromissos. Entre eles ampliar escolas em tempo integral, fazer a inclusão digital e valorizar os profissionais”, destacou o governador.

Com 370 alunos a Escola José Barbosa Rodrigues, em Campo Grande, é um dos exemplos deste modelo de sucesso. “O sistema é muito importante na vida do estudante, no seu dia a dia, no acolhimento. São ganhos fundamentais no aprendizado”, contou o diretor da unidade, Edvaldo Lourenço da Silva.

Ele destacou que o modelo oferece conceitos que tornam o aluno mais participativo e protagonista do seu processo de aprendizagem. “Melhorou o respeito ao professor, o estímulo às atividades do estudante, desde o estudo à participação em grupos. Dos alunos que chegaram ao 3° ano aqui nenhum se arrependeu de estar em uma escola integral”, garantiu. A unidade que fica no bairro Universitário, conta com aulas no 8° e 9° ano do ensino fundamental, além de todo ensino médio.

Escola Estadual Neyder Suelly Costa Vieira, no Aero Rancho

Nova realidade

Diretor da escola, Márcio de Souza

A Escola Neyder Suelly Costa Vieira, localizada no Aero Rancho, maior bairro da Capital, mudou a sua história e realidade com este modelo de educação integral. Hoje a unidade tem 285 alunos, com turmas do 7° ano até o final do ensino médio. Os alunos entram às 7h da manhã e deixam a escola apenas às 16h30.

“É um modelo de educação avançado, que é muito elogiado tanto pelos pais, como os alunos, que se adequaram ao sistema. A escola inclusive é muito procurada na época de matrícula, fica até com fila de espera caso surja alguma vaga. São mais aulas e conteúdos disponíveis para os estudantes”, conta o diretor da unidade, Márcio Wagner de Souza.

Professora Marcia Alessandra Azevedo

Ele destaca que são sete aulas por dia aos estudantes. A escola oferece atividades esportivas como futsal, taekwondo, badminton e tênis de mesa. Na área cultural tem aulas de artes plásticas e quatro projetos de música, com percussão, violão e até orquestra. Todas as salas contam com ar-condicionado. “Os estudantes têm grêmio estudantil e nós incentivamos o protagonismo deles, tanto que os (alunos) veteranos fizeram o acolhimento aos novos alunos, neste início das aulas”.

Estudante Nicolas Nicolau

Há quatro anos na escola, a professora Márcia Alessandra Azevedo participou de todo processo e disse que hoje o sistema de educação integral faz a diferença. “Os estudantes no começo tiveram que se adaptar, muitos agora já estão no 3° ano e puderam passar por todas as áreas de conhecimento. Os resultados são positivos”.

Sônia Aparecida elogia escola da filha

Este cenário reflete no cotidiano dos estudantes. Nícolas Nicolau, de 16 anos, está no 2° ano do ensino médio e fez uma série de elogios a escola. “Entrei aqui no ano passado e precisava de um estudo melhor, já que tive muita dificuldade durante a pandemia com as aulas on-line. Aqui o ensino é muito bom. O pessoal se ajuda muito e ainda tenho aulas de teclado e trompete”, descreve.

Sônia Aparecida de Freitas, mãe da estudante Thais de Freitas, contou que sua filha estuda na escola desde o 6° ano do ensino fundamental e que agora ela terminando o ensino médio. “No final do ano tem formatura e ela pretende cursar Psicologia. Acho ótimo o ensino aqui, que é de educação integral. Ela gosta muito da escola. A todos que perguntam eu recomendo”.

Aula na Escola Estadual Neyder Suelly

Universalização

Secretário de Educação, Hélio Daher (Foto: Álvaro Rezende)

O secretário de Educação, Hélio Daher, explicou que o objetivo do Governo do Estado é promover a universalização das escolas em tempo integral. Isto significa ter ao menos uma unidade neste modelo em cada cidade do Estado. “Universalizar o acesso é que todo município do Estado precisa ter ao menos uma escola neste sistema, e que todo estudante da rede estadual, se assim quiser, possa ter acesso”.

Ele explicou que não existe a intenção de tornar 100% as escolas da rede estadual em ensino integral, já que os alunos também precisam das unidades em período parcial. “Muitos estudantes e jovens querem trabalhar, ajudar na renda familiar ou realizar outras atividades, por isso precisamos respeitar isto também”.

O Ensino em Tempo Integral envolve a ampliação da jornada escolar para estudantes da Educação Básica, sejam eles do Ensino Fundamental ou do Ensino Médio, que é formado pelo programa Escola de Autoria.

Leonardo Rocha, Comunicação do Governo de MS
Fotos: Bruno Rezende